Vítima de acidente, Centro de Controle de Zoonozes e Ong Lobo tratam potrinha e impedem sacrifício do animal


Há cerca de uma semana a vida da potra Loirinha esteve em risco, após uma queda que ocasionou na filhote, de três meses, a fratura do fêmur. O animal foi abandonado e ficou à mercê da sorte, até a chegada da equipe do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) que fez o resgate e ofereceu os primeiros socorros. Porém, alguns exames e cuidados específicos precisavam ser realizados fora do CCZ, para isso, a parceria com a Ong Lobo garantiu a continuidade do tratamento, com raio X, medicamentos e acompanhamento por médicos veterinários.

“Infelizmente não temos como fazer a cirurgia que o animal precisa para voltar a andar normalmente, então, junto com a Lobo estamos garantindo a manutenção da vida da potrinha. Ela não poderá ser utilizada em trabalhos, por exemplo, porém poderá aproveitar os seus dias”, relata o coordenador do Centro de Controle de Zoonoses, Dorimar Almeida. Ele explica que a pequena Loirinha está na unidade recebendo todo o aporte necessário, onde deve permanecer confinada pelos próximos 60 a 90 dias.

Como forma de oferecer mais conforto e aconchego ao pequeno animal, a equipe do Zoonoses levou a mãe de Loirinha para permanecer junto à potrinha durante o período de restabelecimento. O destino da pequena ainda é incerto, e, de acordo com Dorimar, somente depois que estiver totalmente recuperada será avaliada a possibilidade de ser destinada à adoção responsável.

“A mãe voltará para o proprietário, já a potrinha, não podemos afirmar, o que temos certeza é que ela poderá viver. Assim como já fizemos com outro potro resgatado em 2021 que recebeu nossos cuidados e mais recentemente com a égua que resgatamos bastante queimada, vítima de um incêndio, nosso compromisso é cuidar e garantir aos animais que passaram por maus tratos, bem-estar e respeito. Nosso trabalho vai muito além de campanhas de vacinação ou combate às arboviroses”, finaliza.

Serviços oferecidos - A castração gratuita de cães e gatos adotados por famílias de baixa renda e a marcação com microchips, implantados sob a pele dos cavalos são alguns dos serviços oferecidos no CCZ. Em média, as equipes retiram 20 equinos de logradouros públicos todos os meses. Além de rondas diárias para busca de animais soltos, as denúncias são outra fonte que ajuda no trabalho de captura. Para denunciar maus-tratos a animais a população pode utilizar o telefone/WhatsApp (77) 99803-4508. O Zoonoses fica às margens da BR 135, saída para São Desidério.