Cuidadores escolares de Barreiras participam da 2ª etapa de treinamento para atendimento a alunos com deficiência intelectual e múltiplas


A Secretaria de Educação, Cultura, Esporte e Lazer de Barreiras, através da Subdiretoria de Acessibilidade e Inclusão, realizou nessa Semana Nacional da Pessoa com Deficiência Intelectual e Múltiplas, a II Etapa de Treinamento para os Cuidadores Escolares. A formação acontece nessa quinta-feira (25) e sexta-feira (26), no Centro de Estudo, Formação e Atendimento Educacional Especializado Dr. Renato Gonçalves- CEFAEE.

Com o tema “O aluno para além do diagnóstico – deficiência intelectual e deficiência múltipla”, mais de 200 cuidadores estão sendo acompanhados pelas mediadoras Edneia Novais, Elenice Ribeiro, Marcia Tardin e a subdiretora de acessibilidade e inclusão, Eliene Fernandes. Na programação serão abordados assuntos relacionados à aprendizagem, acessibilidade, mobilidade, segurança, alimentação e higiene de pessoas com deficiência, comportamentos, orientação sobre a comunicação com familiares, bem como demonstrações práticas de estratégia com uso de recursos para desenvolvimento da linguagem e raciocínio lógico.

A cuidadora Claudenice Santos, que acompanha duas crianças no Centro Municipal de Educação Infantil do Ribeirão, elogiou a iniciativa que traz noções instrutivas para os cuidadores. “Esse é um momento de interagir, troca de experiências e tirar nossas dúvidas. As técnicas que serão repassadas nestes dois dias de capacitação nos ajudarão muito durante a rotina de trabalho com as crianças”, disse a cuidadora.

De acordo com a subdiretora de acessibilidade e inclusão, Eliene Fernandes, os cuidadores escolares atendem desde a Creche até o 9º ano do ensino fundamental, e o treinamento é importante para os cuidadores, pois são eles que lidam diariamente com o manejo dos alunos com deficiência. “Essa é a segunda etapa do treinamento de cuidadores, que oferece um arcabouço de informações e dicas para que possam melhorar a qualidade do atendimento dos alunos com deficiência intelectual e múltipla da rede municipal de ensino”, avalia.

Ainda segundo Eliene, o treinamento contribui para a formação profissional porque no processo de educação escolar e as informações pedagógicas sobre o aluno da Educação Especial são fundamentais para o processo de inclusão. “Nossa preocupação é também que o aluno com deficiência tenha uma boa socialização no ambiente escolar e participe ativamente das aprendizagens junto com os cuidadores. Enfim, esteja em um processo de evolução constante para que possa aprender com qualidade na escola”, destacou.