quarta-feira, 20 de fevereiro de 2019

Mais de 160 toneladas de frango são recolhidas após suspeita de bactéria



Cerca de 164 toneladas de frango da marca Perdigão são recolhidas pela companhia de alimentos BRF, após testes de laboratório detectarem a possível presença da bactéria Salmonella enteritidis. O risco está nas mercadorias produzidas nos dias 30 de outubro e 5, 6, 7, 9, 10 e 12 de novembro do ano passado, com carimbo de inspeção da fábrica de Dourados (SIF 18), no Mato Grosso do Sul.

Segundo a própria empresa, este tipo de bactéria é encontrada no sistema digestivo de animais e em vegetais plantados em locais contaminados. Outras 299 toneladas destinadas ao mercado internacional também serão recolhidas.

Além da Bahia, os produtos também foram comercializados nos estados do Amapá, Ceará, Espírito Santo, Maranhão, Minas Gerais, Pará, Paraná, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo.

No Brasil, estão sendo recolhidos os produtos: coxa e sobrecoxa sem osso, meio peito sem osso e sem pelo (em embalagens de 15 kg), filezinhos de frango (1 kg), filé de peito (2 kg) e coração (1 kg).

A BRF orienta que os consumidores que tenham uma dessas mercadorias em casa devem consultar as datas de fabricação e origem e entrar em contato pelo e-mail recolhimento.sac@brf-br.com ou pelo telefone 0800 031 1315. Outras informações sobre este caso podem ser consultadas no site da BRF.

Consequências

Ainda conforme a companhia, caso esses alimentos não sejam completamente fritos, cozidos, assados ou manuseados conforme informado nas embalagens, há chances do consumidor contrair a bactéria, ocasionando uma infecção gastrointestinal, que tem como principais sintomas dores abdominais, diarreia , febre e vômito.

A TARDE